"FIRMITAS, UTILITAS et VENUSTAS" (Tríade Vitruviana)



quinta-feira, 1 de abril de 2021

VACINAÇÃO NO BRASIL 010421

 

José Antonio Lemos dos Santos

     DIA ESPECIAL NA VACINAÇÃO PARA O BRASIL E PARA MATO GROSSO, hoje,  quinta-feira, 1º de abril, e não é “pêta”:

O Brasil ultrapassa a marca de 1 MILHÃO de doses de vacinas aplicadas em 1 dia e chega às 23,8 MILHÕES de doses de vacinas aplicadas, enquanto MATO GROSSO chega próximo a marca de 20 mil doses aplicadas em 1 dia. 

     Mato Grosso ainda continua em último lugar entre os estados no percentual de população imunizada mas deu um salto muito grande no número de vacinações diárias chegando às 19.618 doses! Ontem tinham sido 2.940. Penso que MT ainda não acertou numa metodologia ágil e segura para vacinar sua população porém hoje deu uma sacudida!Uso como base os dados do consórcio de veículos de imprensa atualizados até às 20h(DF) de hoje e publicados pelo G1. Apenas 4 países no mundo apresentam totais superiores aos do Brasil: EUA, China, Índia e Reino Unido, segundo o site Our World In Data. 

     São boas notícias em meio a tragédia que nos assola. Ainda é pouco para Mato Grosso e para o país onde, na minha opinião teríamos que chegar, no mínimo, na média de 1 milhão de doses aplicadas por dia, média que ainda está em 745.420. Mas avança bem.

     A vacinação é uma política do estado brasileiro, não deste ou daquele governante e ao compartilhar estes dados, tento acrescentar alguma esperança às informações que recebemos cotidianamente, bem como quero homenagear este trabalho hercúleo que vem sendo feito de norte a sul do Brasil pelo SUS, nossa mais adorável jaboticaba, uma instituição tripartite envolvendo os governos federal estadual e municipal, não só este ou aquele governante. A vacina sempre foi a grande esperança nesta tragédia da COVID-19. Vale a pena acompanhá-la.


terça-feira, 30 de março de 2021

VACINAÇÃO NO BRASIL 30/03/21

José Antonio Lemos dos Santos 

     O Brasil hoje, dia 30/03/2021, terça-feira chegou a 21.883.663 de vacinas anti-Coronavirus aplicadas, das quais 16.937.084 em 1ª dose e 4.946.579 em 2ª dose, com 8 % da população brasileira imunizada com a 1ª dose. Foram vacinadas em 24 horas 805.596 pessoas, um número menor que o de ontem mas bem maior que o da terça passada (563.225). Apenas 4 países no mundo apresentam desempenhos superiores, EUA, China, Índia e Reino Unido, segundo o site Our World In Data. As doses aplicadas no país representam 68,63% das doses distribuídas aos estados. 

     Já para Mato Grosso a situação continua grave. Aplicou 3.885 doses nas últimas 24 hs e chegou às 226.857 pessoas vacinadas representando 5,1% da população do estadual e 50,6% das 447.960 doses recebidas. Na última terça-feira em 24 horas havia imunizado 5.097 pessoas, mais que hoje com 3.885 doses aplicadas. Penso que MT ainda não acertou numa metodologia ágil e segura para vacinar sua população. Enquanto a vacinação cresce acentuadamente no país, em MT a situação continua preocupante. Creio que seja hora da sociedade civil de alguma forma ser mais protagonista nesse processo junto aos governos estadual e municipais. 

     Ainda assim são boas notícias em meio a tragédia que nos assola. Ainda é pouco para o país e teríamos que chegar no mínimo na casa das 1 milhão de doses aplicadas por dia e a média diária nacional móvel nos últimos 7 dias ainda está em 739.771. Mas avança. A vacinação é uma política do estado brasileiro, não deste ou daquele governante e ao compartilhar estes dados, tento levar alguma esperança às nossas informações, bem como quero homenagear este trabalho hercúleo que vem sendo feito de norte a sul do Brasil pelo SUS, nossa mais adorável jaboticaba, uma instituição tripartite envolvendo os governos federal estadual e municipal, não só este ou aquele governante. A vacina sempre foi a grande esperança nesta tragédia da COVID-19. Vale a pena acompanhá-la.



Fontes de dados e observações:

1- Site G1 com dados do consórcio de veículos de imprensa atualizados até às 20(Hora de Brasília) de cada dia;

2- Em função da atualização dos dados, quando nos referimos a dia, significa de 20h do dia anterior até 20h do dia de referência;

3- Site ourworldindata.org ;

4- Site https://coronavirus.jhu.edu/data/mortality .

5- Canal do Youtube: produtividademaxima



segunda-feira, 29 de março de 2021

VACINAÇÃO NO BRASIL 290321

 

José Antonio Lemos dos Santos

     O Brasil hoje, dia 29/03/2021, segunda-feira , ultrapassou a marca de 21 MILHÕES de vacinas aplicadas. Chegamos a 21.078.067 doses aplicadas (1ª e 2ª) com 7,68% da população brasileira imunizada com a 1ª dose. Foram vacinadas em 24 horas 873.920 pessoas, um número maior que o da segunda passada (599.333). Uso como base os dados do consórcio de veículos de imprensa atualizados até às 20h(DF) de hoje e publicados pelo G1. Apenas 4 países no mundo apresentam desempenhos superiores, EUA, China, Índia e Reino Unido, segundo o site Our World In Data. As doses aplicadas no país representam 67,20% das doses distribuídas aos estados. 

     Já para Mato Grosso a situação é bem mais grave. E piora proporcionalmente. Aplicou 8.107 doses (em 2 dias, já que não foram informados os dados de ontem) e chegou às 222.972 pessoas vacinadas representando 4,56% da população do estadual e 54,7% das 447.960 doses recebidas.  Penso que MT ainda não acertou numa metodologia ágil e segura para vacinar sua população. Ontem estava em penúltimo lugar no Brasil em população vacinada por habitante, hoje está em último. Mato Grosso do Sul está em primeiro lugar no país. Como pode tamanha discrepância? Enquanto a vacinação cresce acentuadamente no país, em MT a situação fica mais preocupante. Creio que seja hora da sociedade civil cobrar do governo estadual e dos prefeitos.

      Ainda assim são boas notícias em meio a tragédia que nos assola. Ainda é pouco para o país e teríamos que chegar no mínimo na casa das 1 milhão de doses aplicadas por dia e a média diária nacional móvel nos últimos 7 dias ainda está em 705.147. Mas avança. A vacinação é uma política do estado brasileiro, não deste ou daquele governante e ao compartilhar estes dados, além de tentar levar alguma esperança, quero homenagear este trabalho hercúleo que vem sendo feito de norte a sul do Brasil pelo SUS, nossa mais adorável jaboticaba, que é uma instituição tripartite envolvendo os governos federal estadual e municipal, não só este ou aquele governante. A vacina sempre foi a grande esperança nesta tragédia da COVID-19. Vale a pena acompanhá-la.

domingo, 28 de março de 2021

VACINAÇÃO NO BRASIL 280321

 José Antonio Lemos dos Santos

     Como era esperado,  hoje, dia 28/03/2021, Domingo, o Brasil ultrapassou a marca de 20 MILHÕES de vacinas aplicadas. Chegamos a 20.204.147 doses aplicadas (1ª e 2ª) o que significa 7,32% da população brasileira vacinada. Foram vacinadas em 24 horas 276.849 pessoas, um número menor considerando o Domingo, porém mais que o dobro do Domingo passado (104.618). Uso como base os dados do consórcio de veículos de imprensa atualizados até às 20h(DF) de cada dia e publicados pelo G1. Apenas 4 países no mundo apresentam desempenhos superiores, EUA, China, Índia e Reino Unido, segundo dados do site Our World In Data. As doses aplicadas representam 65, 91% das doses distribuídas aos estados. 

     Mato Grosso não divulgou ao consórcio novos dados para hoje, (junto com outros 13 estados e o DF) mantendo então os dados de ontem. Foram recebidas um total de 393.060 doses e aplicadas  ?????, permanecendo 4,35% da população do estado vacinadas sendo aplicadas até hoje 54,7 % das doses recebidas, com ????? sendo aplicadas no dia. 

     Penso que MT ainda não acertou numa metodologia ágil e segura para vacinar sua população. Ontem estava em penúltimo lugar em população vacinada por habitante, só na frente do Pará. Enquanto a vacinação cresce acentuadamente no país, em MT cai de forma temerária nos últimos dias, 6.138, 5394, ontem 1063 e hoje com dados não disponíveis. Creio que seja hora da sociedade civil cobrar do governo estadual e dos prefeitos.

     Ainda assim são boas notícias em meio a tragédia que nos assola. Ainda é pouco e teríamos que chegar no mínimo na casa das 1 milhão de doses aplicadas por dia e a média diária nacional móvel nos últimos 7 dias ainda está em 665.639. A vacinação é uma política do estado brasileiro, e ao compartilhar estes dados, além de tentar levar alguma esperança, quero homenagear este trabalho hercúleo que vem sendo feito de norte a sul do Brasil pelo SUS que é uma instituição tripartite envolvendo os governos federal estadual e municipal, não só deste ou daquele governante. A vacina sempre foi a grande esperança nesta tragédia da COVID-19. Vale a pena acompanhá-la.

terça-feira, 23 de março de 2021

VACINAÇÃO NO BRASIL 230321

 José Antonio Lemos dos Santos

     O Brasil hoje 23/03/2021 ultrapassou a marca das 17 milhões de doses de vacina aplicadas (1ª e 2ª doses) com base em dados do consórcio de veículos de imprensa atualizados até às 20h(DF) de hoje e publicados pelo G1. Apenas 4 países no mundo apresentam desempenhos superiores, EUA, China, Índia e Reino Unido. Soma um total de 17.128.642 doses, das quais 12.793.737 em primeira dose (6,04% da população brasileira) e 4.334.905 em segunda dose (2,05% da população do país). As doses aplicadas representam 59,85% das doses distribuídas aos estados). De ontem para hoje foram aplicadas um total de 563.225 doses.

     Em Mato Grosso foram recebidas um total de 334.360 doses e aplicadas 196.144 (3,90% da população do estado e 58,66% das doses recebidas) sendo aplicadas 5097 doses no dia. 

     Penso que sejam boas notícias, apesar de que ainda é pouco e teríamos que chegar no mínimo na casa das 1 milhão de doses aplicadas por dia. A vacinação é uma política do estado brasileiro através do SUS, que é tripartite, isto é, é federal, estadual e municipal, portanto ao compartilhar estes dados não quero fazer politicagem em favor de quem quer que seja. Apenas compartilho para conhecimento dos que se interessarem pelo sucesso da imunização no Brasil. A vacina sempre foi a grande esperança nesta tragédia da COVID-19, daí a importância de seu acompanhamento, em especial em nosso país.


segunda-feira, 22 de março de 2021

ACOMPANHANDO A VACINAÇÃO NO BRASIL

 José Antonio Lemos dos Santos

     O Brasil hoje 22/03/2021 ultrapassou a marca das 16 milhões de doses de vacina aplicadas (1ª e 2ª doses) com base em dados do consórcio de veículos de imprensa atualizados até às 20h(DF) de hoje e publicados pelo G1. Envolvem um total de 16.565.417, das quais 12.351.559 em primeira dose (5,83% da população brasileira) e 4.213.858 em segunda dose (1,99% da população do país). As doses aplicadas representam 60,87% das doses distribuídas aos estados). De ontem para hoje foram aplicadas um total de 599.333 doses. 

     Em Mato Grosso foram recebidas um total de 334.360 doses e aplicadas 191.047 (3,78% da população do estado e 60,87% das doses recebidas) sendo aplicadas 3.460 doses no dia. 

     Penso que sejam boas notícias, apesar de que ainda é pouco e de início temos que torcer para chegar no mínimo na casa das 1 milhão de doses aplicadas por dia. A vacinação é uma política do estado brasileiro através do SUS, que é tripartite, isto é, é federal, estadual e municipal, portanto ao compartilhar estes dados não estou fazendo politicagem de ninguém. Apenas compartilho para conhecimento dos que se interessarem pelo sucesso da imunização do país. A vacina sempre foi a grande esperança nesta tragédia da COVID-19, daí a importância de deu acompanhamento, em especial em nosso país.

terça-feira, 16 de março de 2021

VACINAÇÃO NO BRASIL 160321


José Antonio Lemos dos Santos

     O Brasil passou ontem a marca das 14 milhões de doses de vacina aplicadas (1ª e 2ª doses) com base em dados do consórcio de veículos de imprensa atualizados até às 20h(DF) de ontem (16/03/2021) e publicados pelo G1. Foram 10.389.077 em primeira dose (4,91% da população brasileira) e 3.791.197 em segunda dose (1,79% da população do país). De anteontem para ontem foram aplicadas um total de 426.081 doses.     

     Em Mato Grosso foram recebidas um total de 278.760 doses e aplicadas 170.231 (3,3% da população do estado) sendo aplicadas 5.383 doses no dia. A vacina sempre foi a grande esperança nesta tragédia da COVID-19, daí a importância do acompanhamento do processo de vacinação em nosso país e no mundo, inclusive para, se for o caso, criticar o processo com conhecimento dos dados evolutivos. 

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021

O CUIABUS (Publicado em 2009)

 

Charge arquiteto professor José Maria Andrade

José Antonio Lemos dos Santos

     Ao invés de uma reforma “meia-boca” no atual sistema de transporte urbano como pode ter dado a entender, o artigo da semana passada - “A Copa e o biodiesel” - propõe que na Copa do Pantanal Cuiabá seja a vitrine mundial de uma verdadeira revolução nessa área tendo o biocombustível como fonte energética e o ônibus de pneus como base veicular. Cidades como Curitiba e Bogotá comprovam que é possível a solução com pneus e a prefeitura de Cuiabá, através da SMTU, informou ter optado por esse tipo de solução, a meu ver acertadamente. Com base nesse reconhecido know-how nacional, o artigo propõe o uso excepcional em Cuiabá do biodiesel a 100% em 2014 e novos modelos de veículos coletivos, recolocando a cidade na vanguarda de um processo iniciado por ela, sede da primeira fábrica brasileira de biodiesel e da experiência dos primeiros ônibus, bem como capital do Estado que mais produz biodiesel. A Cidade Verde tem handcap para mostrar ao mundo como poderá ser em futuro próximo uma cidade com sua circulação livre do petróleo e de seus males ambientais. E o melhor, utilizando um combustível produzido aqui, gerando emprego e renda aqui.

     Na verdade trata-se de uma proposta complexa, como é complexo o problema do transporte urbano em todo o mundo. Ninguém resolveu ou vai resolvê-lo de maneira simples, nem com metrô, VLT, Zepellin ou mesmo com o ônibus que defendo. Atrás da aparente simplicidade proposta no artigo está um conjunto de medidas que formam um sistema novo, organizados em caráter local, que chamo neste artigo de Cuiabus, para destacar seu aspecto inovador. Em sua concepção o Cuiabus reconhece que a base do problema não é tecnológica, mas de gestão pública. E aí nossos problemas começam pois Cuiabá não é só Cuiabá, mas também Várzea Grande e o intermunicipal. O transporte coletivo tem que ser tratado como um só, integrado nos dois municípios, sendo fundamental que os prefeitos e o governador decidam como vão trabalhar em conjunto. Autarquia, empresa ou alguma forma de gestão compartilhada?

     O assunto passa também por uma política nacional de desoneração do transporte público, hoje não só indispensável à sobrevivência popular, mas de toda a cidade. Deve ser tratado como o arroz e o feijão, incluído na mesma cesta básica. O prefeito Wilson Santos já desenvolve essa tese junto à Frente Nacional de Prefeitos e creio na sua viabilidade até 2014, por sua procedência e necessidade. As prefeituras e a Ager poderiam também avaliar desde já o uso de uma tarifa especial para as bordas de pico, significativamente reduzida, buscando diminuir a concentração de passageiros nesses horários.

     Naturalmente, o Cuiabus implica em uma renovação no pavimento do sistema viário, com a criação de calhas exclusivas e nova sinalização horizontal e vertical, enfatizando a circulação dos pedestres e portadores de necessidades especiais. Este ponto parece bem encaminhado pois o governador assegurou a renovação asfáltica da totalidade da malha viária de Cuiabá e a prefeitura já informou ter optado pelo sistema de calhas exclusivas. E em Várzea Grande?

     Por fim, o estado, de preferência com apoio da Fiemt, poderia buscar junto a fornecedores nacionais de ônibus o desenvolvimento de uma nova linha de produtos, abrangendo não só os comuns, mas também os articulados, até os micro-ônibus e vans. A ideia é buscar uma linha completa de modelos realmente novos com base ou não nos já existentes em países do primeiro mundo, adequados à realidade brasileira no século XXI, com design compatível com o imaginário flashgordiano da população e capazes de marcar o advento do novo combustível e uma nova era nos transportes urbanos.

(Publicado pelo Diário de Cuiabá em 11/08/2009)

segunda-feira, 25 de janeiro de 2021

COMPARATIVO DE ÓBITOS POR HABITANTE ENTRE OS PAÍSES

José Antonio Lemos dos Santos

     Mais uma reflexão minha sobre a pandemia. Baseio-me em dados da John Hopkins University para ontem 21/01/21 ( coronavirus/jhu.edu/data/mortality ). A comparação entre os números absolutos de óbitos pelo Coronavírus entre países com populações diferentes não nos permite avaliar com correção o grau da tragédia vivida por cada um deles. Por exemplo, San Marino é um país que ontem apresentava 65 óbitos, o que certamente o coloca entre os países com menor número de mortos no mundo dando a falsa impressão de que estaria numa situação das menos trágicas perante a pandemia entre as nações. Entretanto, San Marino para o Banco Mundial tinha 33.785 habitantes em 2018 segundo o Google, o que confere a esse país a triste primeira colocação em número de óbitos quando relacionados à sua população, com 192,39 óbitos por 100 mil habitantes. Ou seja, se a população de San Marino fosse igual a do Brasil àquele país estaria chorando a morte de 404.019 concidadãos (cálculo meu - regra de 3 simples). Quase o dobro do Brasil com 210.609 óbitos por Coronavírus  no total. 

     A toda culta, rica, respeitada e poderosa Grã Bretanha a 4ª colocada no trágico ranking com seus 180,11 óbitos/100 mil hab, (com uma aceleração de 3,0%) também se tivesse a mesma população do Brasil, estaria chorando 378.231 mortos, mais de 160 mil óbitos a mais que o Brasil, o 25º no mesmo ranking. No link que coloquei acima tem dados diários para todos os países do mundo. 

     Com proporções maiores em número de óbitos por habitante, à frente do Brasil estão por exemplo também a Itália, EUA, Espanha, México, França, Suécia, Suíça, e Argentina. Isso posto, sem entrar na politicalha e se considerarmos, como tentam nos convencer,  o Brasil um país pobre, de um governo tão irresponsável e incapaz, com uma política corrupta, um povo tão inculto e mal educado, o que teria este nosso país de especial para apresentar estes números ainda que dramáticos e dolorosos, porém melhores do que os de alguns países que inclusive nos vem sendo empurrados como exemplos para nós muito embora com piores desempenhos? Será o sol? A vacinação anual contra a malária? Será o tratamento precoce? Ou não somos tão incompetentes? Ou é coisa de Deus mesmo?  

(Escrito no uátzap em 22/01/2021)


segunda-feira, 23 de novembro de 2020

BASE AÉREA EM CÁCERES

 

Tucanos em ação (Imagem:fab.mil.br)

José Antonio Lemos dos Santos

     O presidente Jair Bolsonaro em sua “live” do último dia 19 trouxe o ministro da Justiça e o superintendente da Polícia Federal no Amazonas mostrando sua preocupação com a segurança das fronteiras brasileiras, não só em relação às drogas e armas, como em relação à saída de nossas riquezas naturais para o exterior. Falou da recente instalação por seu governo de um radar em Corumbá (MS) visando detectar aeronaves suspeitas, em especial no pantanal. Lembro que em 2019, tão logo empossado, o secretário de Segurança de Mato Grosso anunciou que levaria este assunto ao governo federal, colocando na época inclusive a necessidade de instalação de uma base aérea na região, assunto capital para as cidades brasileiras e, em especial para as mato-grossenses. 

     A proposta da base aérea então levantada pela administração estadual é consistente pois Cáceres dispõe de uma pista de pouso subutilizada com 1.850 x 30m capaz de receber jatos, em posição estratégica aos 1.100 Km da fronteira bem como em relação ao Pantanal, que vem servindo de base receptora de cargas de drogas e armas lançadas por pequenos aviões ou vindas por terra mesmo. Seria o começo de uma revolução na segurança da fronteira e na vida de nossas cidades.

     Recordo ainda que em 2009, entre os inúmeros casos semelhantes que se sucedem, a Polícia Federal apreendeu no Trevo do Lagarto um carregamento de armas modernas e poderosas destinadas ao Rio de Janeiro. O transportador informou que aquela era a terceira viagem desse tipo que fazia. Quantas outras cargas já teriam passado? Na semana anterior fora apreendida uma enorme carga de cocaína e no mês anterior havia sido descoberta uma fazenda no pantanal usada para distribuição de drogas que chegavam por avião. Claro que essa situação já vinha de muito e certamente continua até hoje de diversas formas em volumes muito maiores, justificando a preocupação do presidente e seu ministro.

     Problema básico das cidades brasileiras, a insegurança pública lhes impõe um quadro de medo e violência jamais visto. Aqui esta situação é fomentada e se agrava pelos tráficos de drogas, armas e veículos, que se articulam em poderoso esquema nacional e internacional submetendo aos seus interesses e caprichos povos do mundo inteiro, em especial os jovens. Como pensar em qualidade de vida urbana numa situação destas? 

     Jamais será elogiado o bastante o trabalho difícil e arriscado das polícias militar e civil do estado, Polícia Federal, polícias rodoviárias federal e estadual, e pelo Exército, bem como a importância do apoio governamental a essas ações terrestres na fronteira. Mas, no nosso caso é forçoso lembrar que Mato Grosso é um dos únicos estados do Brasil a não dispor de uma Base Aérea. Mato Grosso do Sul, Rondônia e Goiás têm, e esta vizinha à de Brasília. É claro o absurdo desta situação considerando os 1.100 quilômetros de fronteira do estado, dos quais 700 em fronteira seca, e a equivalência de seu território a mais de 10% do território nacional. O problema se agrava com as rotas dos traficantes migrando para o único “rombo” fronteiriço ainda existente e que fica aqui. Só a presença do emblema da Força Aérea Brasileira seria, sem dúvida, um poderoso elemento dissuasivo ao crime. Que fosse a princípio ao menos um destacamento, com uns drones e alguns Tucanos de prontidão.  

     Será que o presidente Jair Bolsonaro e seu staff pensam nesta situação aflitiva vivida pela gente de Mato Grosso, justo o estado líder nacional do agronegócio tão cantado e decantado por sua importância produtiva e exemplo de povo que não parou de produzir mesmo com a pandemia? Uma base aérea em Cáceres seria um projeto do grande interesse para todos os brasileiros pois a brecha em nossa fronteira é uma das principais fontes de abastecimento do crime em todo o Brasil.